sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

O que esperar de 2011



O meu mês de dezembro de 2009 foi cheio de eventos, planos, expectativas e sonhos. Foi o mês da formatura, já tinha passado na OAB em outubro, as matérias na faculdade estavam tranqüilas... Não restava muita coisa a fazer, a não ser comemorar! E esperar por um ano com muitas novidades: pessoas iam sair da minha vida, algumas definitivamente, outras não, mas outras viriam... Depois de 22 anos eu não iria mais ser estudante, e até encontrar um trabalho novo, preencheria fichas com a palavra desempregada. Aquilo tudo dava muito medo, mas como as expectativas eram muitas, pulei de cabeça em 2010!

E foi um ano que não deixou nada a desejar! Realizei, amei, chorei, viajei, brinquei, estudei, sonhei, quebrei a cara, trabalhei, cantei, dancei... Não ficou nada pra trás! Mas com tanta coisa feita, o que sobra pra 2011?

2011 será um ano de colocar planos em prática! Esse é o momento perfeito para fazê-los, pois a virada chega com um infinito de esperanças! E eu espero o melhor para todos os meus planos: os planos que tenho pra família, pros amigos, pro trabalho, pros estudos, pra minha casa, pra minha saúde e até pro coração! Bora realizar?

Entre 2011 com o pé direito! Dê um beijo à meia-noite! Tome banho de champagne! Pule 7 ondas! Use roupas brancas! Coma lentilha, romã... Tudo pra que o vôo seja eterno. Tudo para que as asas sejam de verdade e suportem tudo. Iniciar um ano amando a vida é bom!

Um ótimo ano pra todos que necessitam de um!!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O primeiro Natal


Quem assiste glee viu no último episódio o Mr. Schuester fazendo a seguinte pergunta: Como foi o primeiro natal que vocês se lembram? O melhor dia de nossas vidas!  Família reunida, um monte de presentes, biscoitos. A magia viva e plena.

O primeiro Natal que eu me lembro – até os 3 anos de idade tenho poucas lembranças – foi quando eu tinha mais ou menos 4, 5 anos. Fiquei lutando contra o sono esperando o tal do Papai Noel, e minha mãe falou que os vizinhos estavam me chamando pra me dar um presente. Morávamos em um prédio e fui lá bater a campainha dos vizinhos e receber o presente que eles tinham pra mim. Quando voltei pra casa, a árvore estava abarrotada de presentes. Meus primos chegaram, me ajudaram a instalar o vídeo game que ganhei (um atari!!!) e ficamos jogando um joguinho em que o soldadinho perseguia o ladrãozinho pela noite afora! Perdi a chance de conhecer Papai Noel (Poxa mãe, ele veio bem na hora que eu não estava! Que azar!), mas ganhei um momento único: minha família reunida e verdadeiramente feliz. Conheci a tal da magia viva e plena!

Todos os anos esse dia se repete! E eu espero ansiosamente por ele, pois existem coisas que só fazemos, comemos e vivemos quando chegam as festas de fim de ano. Reunir a família e os amigos, ir à missa do Galo, trocar presentes, preparar a ceia, fazer amigo oculto, montar a árvore, o presépio... Para as comidas reservo um parágrafo!

Peru, tender, chester, lombo, farofa, arroz a grega, maionese de frango, panetone, pudim, manjar, pavê, vinho, champagne, e na manhã de Natal tem rabanada, mais panetone, pães, bolos e biscoitos, croissant, frutas, suco... Ufa! Engordei 3 kg só escrevendo!

Mesmo que a gente pense que o Natal virou mais um comércio que a celebração do nascimento de Jesus em si, não há como negar que seja pelo motivo que for, ou que achamos que seja (sempre digo que Deus tem seus meios de fazer as coisas acontecerem e de fazer as pessoas se aproximarem d’Ele), as tradições, a união e a alegria que essa data nos proporciona nos faz sentir de novo aquilo que sentimos no primeiro Natal!

Mas como isso é possível? Não é a toa que o dia 25 de dezembro é minha data preferida do ano! FELIZ NATAL! FELIZ MAGIA!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O que não (me) dar de presente de Natal


Modéstia a parte, eu sei bem como agradar as pessoas com presentes. Principalmente quando as conheço, procuro dar alguma coisa intimamente ligada com o que ela gosta muito! E esses são os melhores presentes pra se comprar e dar! Gosto ver a reação delas! O livro 1001 filmes para ver antes de morrer pra quem gosta de filmes e 1001 lugares para conhecer antes de morrer pra quem gosta de viagens. E leitura, óbvio! O ingresso do stand up comedy do Marco Luque pra um fã de CQC. Um bom Cabernet Sauvignon Sul-Africano e duas taças estilosas pra um admirador de vinhos.

Me agradar também é muito fácil! Me dê livros, não tem como errar! Gosto de qualquer tipo de leitura, e mesmo se o livro for muito ruim, ao menos me proporcionou momentos de distração e descanso. Sério. ADORO! Essa semana ganhei dois livros do Sherlock Holmes e não vejo a hora de começar a devorá-los. Antes preciso terminar um outro presente que ganhei no início do ano (e sou duramente criticada por não ter terminado de lê-lo até hoje). Enfim...

Porém existem alguns presentes que eu não gostaria de receber, e aposto que muitas pessoas, se não todas, também não gostariam. #ficadica

CD’s – Existem exceções. Certa vez ganhei de aniversário o CD do Jack Johnson – In between dreams, que é o CD que mais amo até hoje. Mas é muito difícil encontrar um CD em que todas as músicas agradem a pessoa. E para as músicas que agradam, umas 5 por CD, existe a internet para fazer download e o MP3 para ouvi-las.

Bugingangas da sorte – Especialmente nessa época de ano que inicia, há pessoas que insistem em comprar certos presentinhos no natal que lhe darão sorte: bolas japonesas com um guiso dentro pra relaxar, porta-incenso, vela perfumada, duendes, fadas, bruxas, sacis, caiporas e mulinhas sem cabeça...

Perfume – Não existe perfume bom ou ruim. Eu adoro o J’adore, mas conheço VÁRIAS mulheres que não gostam. O Boticário tem um perfume com cheiro de bala. Embrulha meu estômago – Egeo Dolce. Tenho uma amiga que o acha melhor que perfume importado. Perfume é um presente extremamente pessoal, e se você não conhece muito bem o presenteado, corre grande risco de errar na escolha.

Vale-presente – Já vi em várias lojas, principalmente as de departamento. É um tipo de cartão que você compra e credita alguns reais pra pessoa ir lá e comprar o que preferir. Mas do mesmo jeito que gosto de escolher o presente pensando nas características da pessoa, gosto de saber que a pessoa pensou em mim ao comprar determinada coisa. Um vale pode ser prático, mas extremamente impessoal.

Roupas exuberantes – uma peça de roupa é o melhor presente e mais fácil pra se dar se você não resolver ousar e pesar na mão. Se a gente não conhece muito o estilo da pessoa, basta comprar uma peça básica que não tem erro. Já se a gente não conhece e tenta adivinhar, já vira um problema. Acaba que quem ganha a roupa vai usá-la só pra te agradar, mas estará extremamente desconfortável.

CD de Natal – É um capítulo a parte dos CD’s. Lá em casa deve ter uns 10. E esse ano deve chegar mais um! Todos têm as mesmas músicas, não há como mudar! Acho SUPER inútil! Com exceção da minha mãe, não conheço quem goste.

Calendário, agenda, camiseta FELIZ 2011 – E qualquer outra coisa ligada ao Ano Novo que não seja uma garrafa de Chandon.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Top Five (Das músicas de GLEE)



Antes de qualquer coisa que vocês venham a pensar sobre mim pelo que eu vou dizer na próxima frase, eu já vou logo dizendo como defesa prévia: Sou fã incondicional de GLEE, e não admito falarem mal da série perto de mim. Já deixei claro isso, aqui no blog mesmo, mas quem assiste há de concordar comigo: o programa só faz sucesso por conta das músicas.

A trama até que é legalzinha, há todo aquele envolvimento de seres humanos completamente normais, que fogem dos padrões encontrados nas telas, o que eu acho muito bacana, a gente se vê em vários episódios, mas se não fosse pelas músicas, o programa teria de tudo pra ser apenas mais uma historinha de colégio norte-americana e não ir pra frente. Mas alguém teve a brilhante idéia de jogar umas músicas no meio, diga-se de passagem: QUE MÚSICAS, e a série virou o que virou! Sem mais enrolações, vamos às minhas 5 músicas preferidas:

BEAUTIFUL / CHRISTINA AGUILERA – O famoso grupo de líderes de torcida recruta uma integrante totalmente fora dos padrões. Pra tentar se encaixar, ela começa a fazer uma dieta louca e acaba passando mal. A líder de torcida mais popular vai ter uma conversa com ela, mas é uma conversa tão bonita e tocante, que ela acaba desistindo da dieta e no meio da sua primeira apresentação no grupo das líderes de torcida ela começa a cantar “Eu sou bonita não importa o que eles digam”. Uma das primeiras vezes que chorei com o programa!

I WANT TO HOLD YOUR HAND / BEATLES – Ta, eu falando sobre uma música de Beatles? Suspeitíssimo. No começo da segunda temporada, quando a história ainda tava meio sem rumo, num episódio sobre religião (um dos melhores até hoje), o pai do Kurt ta desacordado no hospital e o Kurt, que não acredita em Deus, começa a cantar essa música e aparecem cenas dele com o pai quando ele ainda era criança, dentre elas quando o pai dá a mão pra ele no enterro da mãe.

(I’VE HAD) THE TIME OF MY LIFE / BILL MEDLEY E JENNIFER WARNES – A música da minha vida, do filme da minha vida! Essa música, diferente das outras que coloquei ai em cima, não foi incluída em nenhum contexto. Escolheram ela pra ir pra seleção do coral que iria pro campeonato regional de corais. Mas muito bem escolhida! Coloco no MP4 e saio dançando pela rua, que nem doida mesmo!

BOHEMIAN RHAPSODY / QUEEN – Uma música de Queen que foi apresentada justamente na hora que a Quin estava ganhando seu bebê. O coral concorrente (Vocal Adrenaline) faz uma mega apresentação de canto e dança de uma música igualmente mega. Na hora de sua apresentação, uma integrante do New Directions, o coral principal da história, começa a sentir as dores do parto. Sua mãe aparece dando a notícia que largou o pai (que tinha expulsado a filha grávida de casa), e nesse alvoroço, vemos as falas de Quin se misturarem à letra da música, como MOTHER na hora que o coral está cantando MAMMA e LET IT GO na hora do LET IT GO! Claro que aos berros de quem está colocando uma criança no mundo.

IMAGINE / JOHN LENNON – Sim, outra de Beatles. Sou fã, então me deixa ta? Uma cena chocante que faz os alunos refletirem. Eles passam o episódio inteiro buscando uma música que desse uma super apresentação, com danças e jogadas de cabelo, quando vão conhecer um dos corais concorrentes: um coral de surdos. O regente começa a tocar Imagine no piano, e um dos integrantes começa a falar a letra, e não cantar. Mas como é surdo, as palavras não são ditas de forma perfeita. Enquanto isso, os demais membros do coral fazem os gestos da letra na língua dos surdos-mudos, e os membros do New Directions, sensibilizados, se juntam a eles e começam a cantar. Uma cena linda, que mostra que não é preciso de muito pra tocar as pessoas.

Ainda poderia ter falado de outras músicas, como Don’t cry for me Argentina, que arrepio sem querer toda vez que ouço, Don’t stop believin’, que é tipo a música tema da série, Smile, do Charles Chaplin, que me fez chorar, várias da Madona, que teve um episódio só pra ela, Nowadays / Hot honey rag, de Chicago, que conta com a voz de ninguém mais, ninguém menos que Gwyneth Paltrow, mas faria, no caso, um top five hundred! Quais seriam as suas 5 escolhidas?

video

domingo, 12 de dezembro de 2010

Pixar



Há alguns anos atrás esse nome não significava nada. Mas depois do lançamento de Toy Story, em 1995, o nome Pixar só vem aparecendo mais e mais. Segundo a wikipédia, Pixar é uma empresa de animação por computação gráfica recentemente comprada pela Disney. Na minha opinião, falou, falou, e não explicou nem metade.

Em 1995, quando fui ao cinema assistir Toy Story, saí maravilhada. Nunca tinha visto algo tão grandioso no cinema (eu tinha apenas 9 anos). Ganhei a fita de Natal e sabia todas as falas de cor. Hoje, 15 anos depois, arranjei um vizinho de 5 anos que é igualmente maravilhado pelo filme. E sabe as falas igualmente de cor. Enjoada de ver Shrek, que era o filme favorito dele, visto pelo menos 3 vezes por dia, tentei de todas as formas deshrekar o garoto, faze-lo perder esse vício. Não tentei nenhum filme de princesa, óbvio, mas todos os outros da minha coleção foram rejeitados, de Rei Leão a Tarzan. O único que o prendeu foi o tal do Woody. Já chegava lá em casa e logo ia pedindo: Quero ver o Woody.

A pixar faz mais que criar animação por computação gráfica. Faz mais que uma mera parceria com a Walt Disney. Faz sonhos! A trilogia Toy Story é uma amostra de tudo que ela produz. Eu cresci junto com o Andy, conheci de perto como é a Vida de Inseto, e tive a oportunidade de conhecer o dia-a-dia na fábrica de gritos Monstros S.A. Quer história mais incrível que Os Incríveis? Então ta! Que tal Procurando Nemo? Carros? Ratatouille ? Wall-e? UP – Altas Aventuras?

Cada nova estréia parece ser melhor que a anterior. Mas assistindo a anterior, a gente pensa melhor. E então chega a conclusão de que não há como lançar, definitivamente, nada melhor. E eles lançam uma história nova que me encanta (uma advogada de 24 anos), encanta o Rafael (meu vizinho de 5 anos), encanta o Ricardo (meu primo que me sugeriu o tema, de 14 anos), enfim... Wikipédia, vamos rever os conceitos?

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Entre amigas


Quando o papo é amizade, nós mulheres temos basicamente três tipos: a amizade com mulheres, com homens e com gays. Haverá um tempo de falar sobre cada uma, mas hoje reservei um espacinho pra falar das minhas amigas mulheres, e para minhas amigas mulheres, por ser hoje uma data especial para uma delas!

Desses três tipos de relacionamento, se tem um que eu gosto, em particular, é de ter amigas mulheres. Já ouvi dizer que mulheres não conseguem ser amigas, verdadeiramente. Dizem que elas sentem inveja e são falsas! Mas verdadeiramente, essas pessoas não sabem o que dizem!

É muito bom ter amigas! Existe entre nós uma cumplicidade, um carinho e uma compreensão que são indescritíveis! Tenho amigas que sei o que estão pensando só de olhar! Tenho amigas que não preciso nem olhar... E olhando pra trás, me bate uma saudade tão grande de cada amiga que passou na minha vida, e uma saudade tão grande de mim mesma quando estava com elas...

Amigas de infância, amigas da família, primas, irmãs e tias, amigas de escola, da faculdade, do estágio e do trabalho, amigas mais velhas, mais novas, santas e desbocadas, discretas, sérias, nerds e engraçadas, choronas, críticas, melosas, confidentes, conselheiras, baladeiras e caseiras, irritantes, esnobes e indispensáveis, que te colocam em enrascadas e que fazem tudo por você. A mãe da sua afilhada. A madrinha da sua filha.

Temos a mãe. A avó. A filha. A médica. A psicóloga. A chefe. E aquela que é uma irmã pra você. E tem também a melhor amiga. Aquela. Que é simplesmente aquela. Claro que os homens também sabem ser bons amigos. Também deixam ótimas lembranças. Mas nada é igual a amizade entre duas mulheres.

Um grande beijo pras minhas amigas que vierem a ler isso, pras que não vão ler, praquelas que estão perto de mim, e pras que eu não vejo há um tempão! Praquelas que eu lembro a todo minuto e praquelas que eu esqueci. A vida vale a pena principalmente por causa de vocês!

P.S.: Feliz Aniversário Marina!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Das coisas que eu gosto dos EUA


Escrevo esse post baseada apenas nas coisas que vejo em filmes e séries, pois nunca saí do Brasil. Sei que se basear no que a gente vê na TV não é muito seguro. Se um estrangeiro se baseasse nos filmes brasileiros pra formar sua opinião sobre nós, acharia que somos moradores de favela faladores de palavrão. Se a base deles fossem as novelas, seríamos todos nobres moradores do Leblon. Mas por falta de outro embasamento melhor, são esses os que usei.

Pra começar, gosto dos pequenos detalhes. Gosto dos copos de café, e dos armários das escolas. Gosto das festas na praia com fogueira, e das festas no apartamento com uma mesa só de bebidas. Gosto dos ponches, e das casas com jardim. Dos bares com longos balcões e das cheerleaders. Gosto das eleições, do fato de não ser origatório votar, mas da vontade do povo, mesmo que não obrigado, exercer um direito!

Gosto do fato de as escolas públicas oferecerem educação de qualidade, e como as faculdades selecionam seus estudantes. Não bastam apenas notas boas no SAT (um tipo de vestibular). As coisas que você fez pela vida toda são levadas em consideração, como por exemplo, trabalhos voluntários!

E quando ingressam em uma universidade, geralmente as pessoas se mudam para os alojamentos! Ficam como se fosse meio a meio: ainda estuda, mas já mora sozinho. São seus pais que pagam suas contas, mas você já passa a assumir algumas responsabilidades, e dar conta das consequências que seus atos irão trazer.

Quando se formam, já não faz sentido voltar a morar com os pais! Seria um retrocesso! Procuram um apartamento pra alugar, e não raras vezes um roommate com quem dividir as contas. Depois trocam o tal do roommate por um parceiro, casam, tem filhos, a família cresce, então mudam pra uma casa afastada do centro da cidade onde as crianças possam brincar na rua e o cachorro possa ficar no quintal.

Pensando bem é muito metódico pra uma vida. Muito certinho, e previsível. Mas mesmo assim eu gosto! Não queria morar lá. Talvez por alguns meses, pra sempre não! A vontade mesmo é que algumas dessas coisas fossem adotadas aqui no Brasil. Pelo menos o copo de café eu já adotei!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

TOP FIVE (Dos filmes de Tim Burton)



Um dos meus cineastas favoritos, Tim Burton é um cara que não merece um Top Five, mas um Top Vinte e Cinco! Qualquer coisa que eu assista de Tim Burton saio pensando: pronto, ele se superou e fez o melhor filme que eu já vi! Mas então ele volta e faz melhor!

Alice no país das maravilhas – meu xodó! A releitura de A fantástica fábrica de chocolate já tinha me impressionado bastante pela criação de um passado para Willy Wonka e um futuro para Charlie. Quando fiquei sabendo que Tim Burton mostraria ao mundo sua versão de Alice no país das maravilhas fiquei em polvorosa! Explico: De todos os sonhos que a Disney trouxe à minha infância, Alice trouxe vários de uma só vez! Me identificava muito, ainda pequena, com a personagem! Li os livros e o nome da minha filha (quando tiver e se tiver) já estava escolhido. Ver as loucuras da cabeça de Alice misturada às loucuras da cabeça de Tim criou em mim inúmeras expectativas, todas superadas!

A noiva cadáver – Fiquei na dúvida de qual colocar aqui: Noiva Cadáver ou O estranho mundo de Jack? Não sei por que cargas d’água assistir A noiva cadáver me dá nostalgia de uma época em que o natal não tinha graça se não passasse na sessão da tarde Esqueceram de mim e o halloween não tinha graça se não passasse na sessão da tarde o estranho mundo de Jack. Escolhi colocar a Noiva Cadáver (já um pouco arrependida) porque adoro o fato de o mundo dos mortos ter mais cor e alegria que o mundo dos vivos, mostrando que a moral rígida e o interesse material colocam limites à nossa vivência e ao nosso prazer!

Edward mãos de tesoura – A primeira vez que vi a dupla Tim Burton e Johnny Depp em ação! E não é a toa que virei fã dessa receita infalível! Em um sonho que se torna realidade para crianças e em um conto de fadas para adultos, Edward, segundo o filme, foi quem deu origem à neve na cidade onde se passa a história, que traz imagens belíssimas e prazerosas de se assistir! O mesmo contraste de cores da noiva cadáver é encontrado aqui, só que de forma inversa. A cidade, colorida demais, e as pessoas, coloridas demais, na verdade são feias por dentro, diferentemente de Edward, que tem um rosto pálido, um castelo escuro e um coração puro e ingênuo! Porém, somos obrigados a conhecer a história toda e despir-nos de nossos preconceitos para descobrir isso.

Sweeney Todd – Simplesmente não canso de ver a história do barbeiro que volta à cidade movido pela vingança e usa sua cadeira da barbearia para assassinar seus clientes enquanto sua parceira pega os restos mortais para fazer famosas tortas. Recheado de personagens feias, tom macabro, músicas e galões de sangue!

Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas – o que menos parece ser um filme dele, é o meu favorito! Traz a história das histórias de um grande contador de história que impressiona a todos, menos a seu próprio filho! Tim Burton que, geralmente mexe com nossas emoções das formas mais variadas, mas dificilmente nos arranca uma lágrima, nesse filme provoca aquele aperto no coração ao mostrar que as melhores coisas da vida estão nos momentos mais comuns e corriqueiros!

sábado, 20 de novembro de 2010

O começo do fim


Antes de publicar esse post, prometo lê-lo muitas vezes e checar se não há nenhum spoiler. Assisto os filmes do Harry Potter na estreia justamente pra ninguém me contar nada! Gosto de ver e me surpreender, mesmo já sabendo o que vai acontecer (já li todos os livros) (duas vezes cada um).

Harry Potter e o enigma do príncipe, o sexto filme, tinha me decepcionado bastante. O livro traz uma série de informações que explicam muita coisa do passado e que serão úteis para o futuro que o diretor simplesmente resolveu tirar. E não satisfeito o bastante em tirá-las, ele resolveu mudar outras coisas pra explicar terceiras coisas e fez uma bagunça interminável. Resumo da ópera: não gostei. Resumo da segunda ópera: quem não leu os livros não entendeu patavina.

Passei um ano e três meses esperando NADA de Harry Potter e as relíquias da morte. Mas há um mês atrás, quando fui comprar o ingresso da estréia, a ficha caiu: Aquele seria o começo do fim de Harry Potter. Para uma pessoa qualquer, isso não significa nada. Mas pra mim, que tenho o bruxo há 10 anos na minha vida, significa o fim de uma era. Comecei a ficar ansiosa como não ficava desde a estréia do filme Harry Potter e a câmara secreta, ou desde o lançamento do livro Harry Potter e a ordem da fênix.

Mas no fundo um pouco suspeita sobre o que fariam com o filme, esperando o pior.

Me surpreendi!

Acho que por ter sido dividido em duas partes, o filme conseguiu ao máximo ser fiel ao livro, como não acontecia desde o primeiro e segundo filmes. Claro que existe uma mudança ou outra, mas que, no contexto geral, conseguiu recuperar o que tinham perdido no filme anterior.

As cenas provocam as mais diversas reações na platéia. Em 2 horas e meia (imperceptíveis) de filme, damos risadas, torcemos, choramos, tomamos sustos, ficamos tristes, com raiva, tudo proporcionado por um mix de cenas de aventura, romance, suspense, comédia e drama.

Conseguiram trazer a magia de Harry Potter de volta pra mim! Estou com uma necessidade de reler todos os livros e ver a segunda parte tipo, AMANHÃ!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Os opostos se atraem



De tudo que vejo, e ouço, e sinto, e observo, se tem um coisa com a qual eu não concordo é essa frase!

Penso que quando a gente começa a interagir com uma pessoa procuramos, de imediato, pontos em comum. Vamos conhecendo-a para ver se combinamos, se nos completamos, e se nos identificamos.

Conforme vamos encontrando esses pontos em comum, a relação fica mais agradável. Fica fácil emprestar um livro, convidar pro teatro, ou pro cinema, conversar horas no telefone, programar finais de semana juntos, ir pra balada, ou pro sertanejo, ou pro samba, ou pro show de heavy metal ou da Maria Gadú, chamar pra almoçar e depois ver filme...

Se ao contrário, encontramos alguém, como diz a frase, totalmente oposta, a pessoa passa a ser, aos nossos olhos, detestável. Parece que, propositalmente, ela discorda de tudo o que falamos, só pra irritar! Mas é só o jeito dela, e se insistimos nessa relação é porque acreditamos que podemos mudá-la. Ou porque ela acredita que irá mudar-nos. Não dá certo!

E não falo só da relação homem – mulher. Para dar certo com uma pessoa, seja ela um amigo, professor, marido, parceiro, namorado, aluno, colega de sala, enfim, qualquer uma, você tem que amar basicamente as mesmas coisas. E vou adiante. Tem que também detestar basicamente as mesas coisas. O resto é fantasia.

Porque, na minha opinião, os opostos podem até se atrair... Mas só os iguais permanecerão juntos!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Missão dada é missão cumprida




Cinema é um mundo que me encanta! Consigo entrar estressada numa sessão pra ver um filme qualquer e sair como se tivesse saindo da terapia, da massagem ou do SPA! Relaxa, desestressa, alivia e coloca no eixo!

O último filme que vi no cinema foi Tropa de Elite 2 – O inimigo agora é outro. O filme já começa avisando: “Qualquer semelhança com a realidade é apenas uma coincidência. Essa é uma obra de ficção.” Consegui ouvir Sheldon gritando BAZZINGA pra essa frase carregada de ironia.

O filme não possui qualquer semelhança com a realidade. O filme retrata exatamente como é a realidade, e assisti-la ali, sentada, de mãos atadas, sem poder fazer nada, causa revolta.

Pra começo de conversa, o foco agora muda! Ao invés de retratar como o tráfico é mantido e como os discursos de filhinhos de papai nas faculdades reclamando das blitz no Rio de Janeiro são nada perto do problema real, tropa de elite 2 mostra os verdadeiros inimigos, tendo alguns deles inclusive a função de proteger a população. Tendo alguns deles sido escolhidos, inclusive, por nós.

A corrupção e a violência desmedidas na busca por votos, exibidas ali, jogam na nossa cara uma verdade que poucos querem ver. O tráfico é um problema enorme na sociedade brasileira sim, mas ainda que ele seja exterminado, outros ainda maiores serão revelados.

Em meio aos bordões criados como “Vocês engordaram o porco e agora nós vai assar”, “tá de pombagirice?" ou ainda “o Che Guevara tá entrando sem colete”, damos risadas, mas por dentro estamos cheios de raiva, tristeza e indignação. Uma ótima oportunidade de reflexão!

A missão no caso, dada ao diretor José Padilha, de não frustrar as expectativas dos fãs de Tropa de Elite foi missão dada e missão cumprida.

video

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Aquele com o Smelly cat




Ainda quando não utilizava a internet para baixar séries e não conhecia a TV a cabo, assistia algumas séries pela TV aberta, com toda aquela história de dublagem trash e títulos toscos, como Três é demais para full house e Tal mãe, tal filha para Gilmore Girls. Dentre essas, assistia Smallville – as aventuras do superboy, e outro dia assistindo Warner, vejo que já está na 10ª temporada. DEZ TEMPORADAS? Putz, cansativo. Eu mesma enjoei lá pela sexta...

Depois me veio à cabeça que minha série favorita das favoritas, top das tops, tem 10 temporadas: Friends. 10 temporadas e um gosto de quero mais, uma dúvida do porque terminou e uma questão: porque não fazer um filme, como fizeram com Sex and the city?

Já falei dela aqui e provavelmente vou falar mais algumas boas vezes!
 
Do grupo de seis amigos, quem mais chama a minha atenção é a Phoebe. Ela não é a personagem principal, não é minha personagem favorita, não é a mais parecida comigo e nem a que mais me faz rir, mas é a que mais chama minha atenção. Ela é misteriosa, lunática, lesada, esotérica e doce! Gosta de ajudar as pessoas, de fazer caridade, de defender a natureza, mas se rendeu a um casaco de pele que ganhou de herança.

Nos episódios “retrô” (meus favoritos), ela nunca aparece (a não ser em vidas passadas), o que aumenta o mistério ao redor dela. Sabemos que seu pai saiu de casa pra comprar cigarros e nunca voltou, que sua mãe suicidou, que o padrasto foi preso, que não se dá bem com a irmã gêmea e que herdou um taxi da vó, mas o que ela fez pra parar na cadeia, por exemplo, ninguém sabe! Só sabemos que ela NÃO QUER VOLTAR PRAQUELE INFERNO!

Para um desavisado qualquer, ela até passa despercebida. Quem é Phoebe? Aquela maluca hippie do Smelly cat. Mas um fã mais atento percebe que ela vai além disso. É doce, engraçada, prestativa, tem um coração enorme, mas os resquícios de seu passado escuro, ruim e não explicado aparecem quando menos se espera! De repente ela diz verdades sem pensar que pode magoar. Grita e dá chilique! E é uma peça fundamental para o sucesso de Friends!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

TOP FIVE (Dos filmes que provocam inveja)


Post pra mulher! Quem nunca assistiu um filme e sentiu aquela inveja? Mas não é inveja porque o Jack ama a Rose a ponto de fazer de tudo pra salvar a vida dela, ou porque o Rick bota a Ilsa no avião para que ela fuja para a América ao som de “as time goes by”, e nem porque Landon realizou todos os sonhos da lista de Jamie antes de ela morrer!

Sinto ainda MUITA inveja dos filmes, qualquer filme, em que aparece o mar da Grécia, ou ainda a Torre Eiffel. Dois dos três lugares que mais quero ir no mundo (o outro é a Disney, mas não consigo ter inveja daqueles desenhos maravilhosos)!

Hoje vim falar dos filmes que tiram de nós (mulheres) todo o espírito caridoso e provoca um desejo exagerado por posses e status adquiridos por aquelas personagens! Já lembraram de uns ai né?

SEX AND THE CITY: Carrie e eu temos uma paixão em comum: sapatos! Quem via a série sabe que ela abria mão de várias coisas, e até viveu situações inusitadas por um par de sapatos caros! No filme não há mais sacrifícios a fazer! Chanel e Louboutin pra tudo quanto é lado!

O DIABO VESTE PRADA: Neste filme, a inveja não está em comprar Prada, Chanel, Valentino, Donna Karan, Bill Blass, Calvin Klein, Marc Jacobs e Dolce & Gabbana. Está em poder usar Prada, Chanel, Valentino, Donna Karan, Bill Blass, Calvin Klein, Marc Jacobs e Dolce & Gabbana sem pagar nada por isso! E ainda ganhar algumas frescurinhas de vez em quando, ou viajar pra Paris a trabalho!

AS PATRICINHAS DE BEVERLY HILLS: É velho, mas aposto ser esse o primeiro filme que despertou a inveja em qualquer garota! Quem nunca quis ter aquele guarda-roupa virtual de Alicia Silverstone? Além de ser LOTADO de roupas de marca, ele era capaz de dizer qual a melhor combinação para cada ocasião! UM LUXO!

UMA LINDA MULHER: Das antigas! Um verdadeiro conto de fadas! Não basta ser resgatada das ruas por Richard Gere e passar uma semana com ele num hotel 5 estrelas. Tem que ganhar um cartão de crédito sem limite pra gastar na Rodeo Drive.

COMO PERDER UM HOMEM EM 10 DIAS – Hoje em dia as mulheres são mais fascinadas por roupas, bolsas e sapatos. Mas eu ainda acho super chique ganhar um colar, ou alguma outra jóia de presente. E duvido que aquele diamante amarelo de 87 quilates que Kate Hudson usa no final do filme chamou apenas a minha atenção!


video

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Estreitar laços



Quem tem twitter com certeza já ouviu falar de @HugoGloss. Ele começou como um mero cover de Christian Pior, personagem do pânico que, fazendo sátira ao estilista francês, Christian Dior, tece comentários ao estilo e comportamento das celebridades. Hoje o tal Hugo Gloss assume personagem próprio como sátira ao alfaiate alemão Hugo Boss e segue a mesma linha de humor ácido de Christian Pior.

Sigo o Hugo Gloss não tanto pelos “baphos” que ele traz do mundo dos famosos, mas pelos seus “BOM DIAS” de cada manhã! Só a título de exemplo, sobre as novas modinhas ele twittou “BOM DIA você que vê o Fiuk e o Restart coloridos e quer andar igual na rua. Evite a grama, ou poderá ser confundido com 1 teletubbie. Cuidado”, sobre a Lady Gaga: “BOM DIA Lady GaGa! Sua gagueira está cada dia + evidente. Depois de po po poker face, ma ma ma romamama agora ale alejandro. Médico já!”, na estreia de Alice no país das maravilhas de Tim Burton “BOM DIA você que viu ALICE e achou péssimo, mas finge que amou porque é cult! Não tenha vergonha de preferir o da Disney! Tim Burton é p/ poucos e loucos” e no dia seguinte às eleições: “BOM DIA você que votou no Tiririca! Se mate ao som de Florentina. O Brasil não precisa de você, beijos.”

No BOM DIA de hoje ele soltou: “BOM DIA você que depois do twitter não liga + p/ ninguém, nem manda SMS, só trabalha c/ DM! Olha a pobreza, fifi! Vai economizar os 140 caracteres também?”

E pensando bem, a gente acha que essa era digital é capaz de nos aproximar das pessoas, mas acaba nos afastando! Por um lado, é fantástico quando achamos aquele amigo de infância que não vemos há muito tempo no Orkut. Por outro, é péssimo vê-lo só por lá! O pessoal do colégio não tem mais festas pra reunir e relembrar! A facilidade de ter as pessoas ao alcance ali mesmo, no MSN, acaba nos distanciando ainda mais!

Estreitar laços! É isso que eu coloquei como meta para minhas próximas semanas.

Porque ter relações superficiais com as pessoas é muito cômodo pra gente! Não ter que se envolver, ajudar, aconselhar... Mas elas não nos acrescentam muita coisa. O que importa é ter comunhão e andar junto! Isso sim é o que Deus quer de nós, e é o que a gente não consegue cumprir de dentro da bolha que fazemos da nossa vida. Do que adianta você ter 300 conhecidos e não saber nada da vida deles? Não que a gente tenha que ser confidente de todo mundo, porque com certeza rola todo o lance de afinidades e tudo o mais, mas dividir nossas alegrias e tristezas, isso sim, com toda a certeza, vem d’Ele.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

E se o príncipe encantado não encantar?



Dia desses minha mãe e minha vó estavam conversando.

Minha mãe:
- Por que a sra. nunca trabalhou fora?
E minha vó:
- Na minha época não tinha disso. Mulher era criada pra casar.

E reparando bem, mulher não era criada pra casar naquela época. Mulher É criada pra casar NESSA ÉPOCA! Logo quando nascemos nossos pais já ouvem: É mulher! Vai ter que pagar pela festa de casamento! A menina mal nasceu e já estão falando da sua festa de casamento!

Quando entramos pra faculdade há toda aquela expectativa que lá vamos encontrar um marido. A probabilidade é maior, as pessoas lá tem gostos parecidos, tomaram decisões semelhantes... E se saímos de lá sem ele é aquela decepção! Tá ficando pra tia! E homem? Não fica pra tio?

Pra não falar das nossas historinhas infantis: Cinderela, Branca de Neve, A bela adormecida, A bela e a fera, todas felizes para sempre com seus respectivos príncipes encantados! Na vida real é o caso das pessoas que encontraram um cara bacana quando novinhas e passam praticamente a vida inteira com ele. Acontece, mas não é comum.

Mas e as meras mulheres comuns? O que acontece se o príncipe encantado não encantar? Viramos a bruxa? Frustrada, feia e com uma verruga no nariz?

O “Era uma vez...” tinha que começar de outro jeito. A princesa sabe que assim como ela, existem muitas outras princesas, em muitos outros castelos, com quem vale a pena conversar, rir, falar bobeiras e comer brigadeiro de colher numa tarde vazia! Que existem vários reinos mágicos, e que elas podem trabalhar muito e sair por aí para conhecer cada um deles! Que alguns príncipes gostam de outros príncipes, mas que parecem verdadeiros bobos da corte e sabem como mimar princesas! Uma tarde com eles as deixará renovadas! Que a rainha também é amiga, e está ai pro que der e vier!

As mulheres têm que entender que é preciso gostar demais de si mesma, se amar demais, se dar valor e ter consciência de que são muito felizes, independentemente de qualquer outra pessoa. Que uma boa companhia não faz a vida ser completa. Só a deixa mais agradável. Depois disso tudo é que se torna possível encontrar o verdadeiro encanto da vida!

E se o príncipe encantado não encantar? Tiramos ele da história!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Educação pública


Meu chefe me pediu ajuda pois estava sem saber como conseguir uns currículos de estudantes de engenharia pra fazer estágio na empresa. Cadastrei a vaga em algumas faculdades de Belo Horizonte, e antes de encaminhar pra ele os currículos que chegam, dou uma passada de olho, como se fizesse uma pré-seleção. Não sei como acontece ai pelo resto do Brasil, ou do estado, mas vou contar o que reparei que acontece por aqui.

Os currículos que chegam de estudantes de faculdades particulares são, na maioria das vezes, de pessoas comuns, como eu mesmo. Fez um curso de inglês, pois é importante falar mais uma língua, alguns estágios pra adquirir mais experiência antes de procurar um emprego definitivo, participou de palestras, seja pra cumprir quadro de horários, seja pelo aprendizado mesmo, alguns cursos complementares, como informática e tal.

Já os estudantes da UFMG têm um currículo invejável. Duas línguas não são o suficiente. Falam alemão e francês fluentemente. Já fizeram intercâmbio, quando não intercâmbios. Estágios que muitos considerariam um emprego pra vida toda. Palestras? Não, congressos! Nem colocam que já fizeram curso de informática. É presumível. Óbvio lulante.

A faculdade pública não está disponível para as pessoas que não têm dinheiro para pagar por sua educação. Quem se encontra nessa situação e quer dar continuidade a seus estudos tem que suar pra pagar por uma faculdade particular. Ou então ingressar na faculdade particular e tentar os programas sociais como PROUNI e FIES. Se não conseguir, dá um jeitinho e vai pagando! Faz um sacrifício aqui, deixa de comprar uma coisa ali... Brasileiro sempre dá! Ou então se prepara pra frequentar alguns anos de cursinho, até que um dia dá a sorte de passar na federal! Quem sabe? Porque a escola pública não te prepara pra passar na faculdade pública. E a faculdade pública não é uma questão de dinheiro. É uma questão de status. Nome.

Uma imensa contradição!

A solução desse problema (sim, um enorme problema!) não está em garantir o acesso do pobre à faculdade pública pura e simplesmente pelo fato de ele ser pobre, como fizeram com a cota para negros (o que vão me desculpar, mas um racismo explícito. Antes fosse a cota pra estudante de escola pública, por exemplo). Nesse caso ai a qualidade do ensino cairia. “Pobre não precisa de qualidade”. Penso estar a solução em investir na educação das escolas públicas, para que quem estude nelas tenha a mesma chance de acessar a faculdade pública de quem estuda nas escolas particulares.

Engraçado falar disso no dia das crianças né? Só estava pensando no futuro delas! Ou simplesmente no futuro. São elas mesmo que vão cuidar dele!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

TOP FIVE (Dos filmes que mais me fizeram chorar)



Fim de semana desses estava vendo filme com um amigo e o primo do amigo, quando o primo começou a falar dos filmes que ele não assiste porque mulher chora! Não me lembro de todos, e eles vão ficar de fora da minha lista (acho que já são óbvios demais), mas dentre eles estão P.S. Eu te amo (não chorei no final! Chorei, simplesmente, todas as vezes que chegava uma carta!), Marley & eu (chorei mais por achar impossível ver o Marley e não lembrar da Flora – a cachorra da família) e Um amor pra recordar (vai, que até os homens choram nesse...).

Podia falar ainda de Toy Story 3, que é mais um teste de caráter que qualquer outra coisa! Chorou no final: pessoa de bem. Não chorou: MONSTRO!

Mas peguei filmes variados e não tão óbvios de provocar lágrimas. Pelo menos não pela capa, ou pelo título. Vamos a eles:

UP – ALTAS AVENTURAS: Altas aventuras e altas lágrimas. Chorei altas vezes! Um senhor mal humorado, que amarra sua casinha em um monte de balões e sai voando pela cidade com um menininho que foi parar na sua varanda por puro acidente. Os dois juntos rendem muita gargalhada! Porque o choro então né?

SOBREVIVENDO COM LOBOS: Esse você chora sem ver! Quando vê, já ta chorando! Uma menina tem que fugir dos nazistas porque era judia, e no meio da mata é acolhida por uma família de lobos. História baseada em fatos reais!

ANTES QUE TERMINE O DIA: Pra não deixar de fora um filminho água com açúcar! Do jeitinho que eu gosto! Um rapaz tem chance de voltar no tempo e consertar seus erros! Quem não queria?

UMA PROVA DE AMOR: Esse a gente desconfia que envém lágrima! Mas não é um romance! Com Cameron Diaz e Abigail Breslin (a pequena miss sunshine), conta a história de uma menina gerada para salvar a vida da irmã que tinha câncer e ajuíza uma ação contra os pais por não querer mais ser “mutilada”.

ESTÃO TODOS BEM: Entrou na lista por ser o último filme que vi e que me fez chorar. Com Robert De Niro e Drew Barrymore no elenco, dois atores que adoro. Nenhum romance, nenhuma catástrofe, ninguém morrendo aos poucos por conta de uma doença... Só uma família que poderia ser a minha, ou a sua! Levando a vida normalmente como se estivesse tudo bem. E a gente ta cansado de saber que no final fica tudo bem mesmo!

video

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Hoje em dia sem tecnologia



Me lembro bem da minha infância! Dias de semana eram pra ver xou da Xuxa de manhã, tomar banho e ir pra escola. Chegar em casa, fazer para casa, tomar banho e dormir. Descer pra brincar com as outras crianças do prédio, só nos finais de semana! E como eram ótimos e incansáveis! Só ligava o vídeo game depois do banho, antes de dormir! E mesmo assim prevalecia a regra: só em finais de semana e férias!

Vejo a infância de hoje em dia. Completamente mudada! Meu vizinho tem 5 anos e 2 video games. O que dá mais ou menos uns 352302571 jogos. Chego na janela dele, e o vejo sentado na frente do computador, feito gente grande. Acho graça! Um pouco triste, mas ainda assim acho graça.

Há mais ou menos 15 anos os computadores chegaram na minha escola! Tínhamos 50 minutos por semana pra ter esse contato encantador! Sim, porque a novidade encantava! E com a velocidade da internet discada da época, só pra criar um e-mail gastávamos uma aula! 

Com 15 anos ganhei meu primeiro computador. Lembra de ter que esperar dar meia-noite pra conectar? No sábado era mais cedo, 14:00 já podia tentar! Às 16:00 você conseguia!

Hoje não dá pra imaginar o mundo sem tecnologia! O escritório pára de funcionar quando falta luz! Não há como redigir petições, não há como consultar processos, não há como... Vai estudar, fazer o que? E ainda assim estou numa profissão que se abrir um livro, tem como tirar proveito. Imagina profissionais de áreas diretamente ligadas à isso, à tecnologia! Passam um aperto ainda maior!

Se o facebook sai do ar, já virou trend topics do twitter. A baleia do twitter apareceu? Acabou o mundo! Estamos sem vida social! 

Onde estão os encontros da turma do colégio no barzinho? No MSN... E o pessoal da faculdade, o que anda fazendo? Bisbilhota o Orkut que você descobre! Cadê as crianças correndo feito loucas e quebrando as janelas dos vizinhos? Estão trancadas em casa imersas em um mundo virtual! E cadê meu querido diário? Virou blog...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Glee



Da paixão por séries eu já falei. Da paixão por música, já falei. Da paixão pelo coral, já falei. Porque então falar de GLEE, se é simplesmente uma mistura de tudo isso?

Porque não é simplesmente uma mistura disso! A história de um professor de espanhol, que tenta reerguer o coral da escola, o tal "Glee Club" (Clube do Coral), que no passado foi motivo de grande orgulho para todos os alunos na instituição, mas que na atualidade só atrai os alunos pouco populares e sofre constantes ataques da treinadora do time de líderes de torcida, vai além da mistura de série + música + coral.

Pra começo de conversa, os atores principais, integrantes do Glee Club, não são todos louros, de olhos claros, magros, lindos e cheirosos. Em algum momento da série você se identifica com alguém, seja com a gordinha comedora compulsiva, o homossexual, o cadeirante, a gótica, o nerd, a popular que foi rejeitada por estar grávida, o popular que não se identifica com a popularidade... Pessoas comuns, com problemas comuns! Pessoas extremamente diferentes umas das outras, mas que encontram na diferença o motivo para se unir!

E assistindo o decorrer dessa união você chora, ri, canta, fica com raiva, se alegra, se emociona! Um misto de sensações ao longo de uma temporada embalada pelo som de clássicos como Queen, Madonna, Celine Dion, Kiss, Bon Jovi, Lady Gaga, Beyoncé, e inclusive de peças retiradas de musicais da Broadway, como Chicago e Wicked.

Não é a toa que virou febre!

2ª temporada estreiou ontem! Deixei alguém com vontade de ver?

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Beatles in concert


Imagina 1.576 fãs de Beatles reunidos em um só lugar. Eu estava no meio!

Segunda-feira teve um evento aqui em Belo Horizonte chamado Beatles in concert. Trata-se de uma banda cover dos Beatles (Yesterdays) que conta com o acompanhamento de coral e orquestra! Um espetáculo!

Do repertório não há muito que se falar. Pelo menos eu sou suspeitíssima pra falar! Na primeira parte do show foram apresentadas músicas dos Beatles. Abertura com Yesterday, depois vieram outras músicas fantásticas como Here Comes The Sun e Strawberry Fields Forever. Na segunda parte do show, músicas da carreira solo deles, um tanto quanto emocionantes, como Live and let die, Ebony and Ivory e My Love! Pra fechar com chave de ouro: Hey Jude!!

Da banda cover quem chamou em muito a atenção foram o vocalista e o guitarrista (que tocava cada solo...)

O coral era um show a parte! Cantaram algumas músicas a cappella! Com direito a sonoplastia própria, com onomatopéias e palmas, tudo muito animado!

O maestro que regeu a orquestra é simplesmente o melhor do país! Quiçá do mundo hahaha Rodrigo Garcia, procurem pelo trabalho dele!

Enfim, um pouco de Beatles nunca é demais! Mas Beatles in concert foi, por falta de palavras que defina melhor, demais!

video


video

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

SOHO


Bora fazer propaganda? Sexta-feira passada fui a um lugar chamado SOHO com uns amigos comemorar o niver. Já tinha ouvido falar muito, um barzinho famoso por ter dois cardápios: um de comes e bebes e outro de jogos, além de uma super batata frita maravilhosa!

Marquei lá porque estava seca pra jogar Imagem & Ação! Saudosa de uma época em que todos os finais de semana todos os meus primos se reuniam pra virar a noite jogando, desenhando e rindo muito das palhaçadas. Acabei nem jogando! O tal cardápio é tão variado que escolhemos outros dois jogos: Perfil e Identicard, todos os dois baseados basicamente em adivinhações. E todos os dois rendem boas risadas!

Quem mora em BH, é só juntar uma galera animada como a minha e partir pra lá! Diversão garantida!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Road trippin'


Fazia tempo que estava desejosa por uma viagem! Não precisava ser nada elaborado, só queria sentir a sensação de estar na estrada, escutar música até a bateria acabar, ler um livro até enjoar, conversar com as pessoas até cansar, admirar a paisagem e observar como a vegetação, o clima e a pressão mudam em pouco tempo, aliás, pouca distância. É, queria viagem de ônibus, de avião não! Sentir aquele cheirinho que só a estrada tem!

E pensei em como as viagens costumam variar só por conta das companhias! Uma viagem com seus pais está longe de ser igual a uma viagem com os amigos! Com seus primos é uma coisa, mas se seus tios estão juntos, é outra! Nenhuma delas deixa de ser ótima, mas são diferentes!

Nesse final de semana o coral foi contratado pra cantar em dois eventos em Governador Valadares. Aquela cidadezinha mais interior de Minas, em que as pessoas são mais simpáticas, o café mais fresquinho e o pão de queijo mais quentinho!

E viagens com o coral tem uma peculiaridade a parte. Parecem (E MUITO!) com excursões da escola! As pessoas têm idades que vão de 13 anos a 60 e tantos, mas todas voltam a ser aquelas crianças que vão cantando músicas, falando bobeira, contando piadas e fazendo brincadeiras. Me surpreendi o tempo todo! Com Deus e com as pessoas, que é um jeito de Ele nos surpreender também.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Aniversário


Pra falar a verdade nunca entendi qual é a do aniversário. Comemora-se por ter passado mais um ano? Parabeniza-se por ter sobrevivido a ele? Acho que assim como o ano novo, o aniversário é uma data para que nossas forças sejam renovadas. Você pára por um dia e pensa: "poxa, vivi tanta coisa em um ano, aprendi tanto, cresci tanto, vamos embora pra mais um!" E mesmo sem entender, eu AMO esse dia! 24 de agosto! 24 anos! Pode me abraçar! Hoje é o meu aniversário!

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Dream on




Dia desses estava passeando por uns blogs e entrei em um dos meus favoritos: O homem sincero. E li por lá que "sonhos não existem para serem realizados. Existem apenas para ser sonhados e, depois, perdidos. O sonho realizado morre. O sonho perdido se eterniza." Acho que nunca li algo tão triste na vida. E fiquei pensando se seria verdade ou não. E digo com todas as letras: É MENTIRA! Deveras, é realmente incrível sonhar com alguma coisa. Só não é mais incrível que realizar esse sonho.
Tente se lembrar de algum sonho que você sonhou muito, e um dia ele se realizou! Já sentiu sensação melhor? Eu me lembro de um bobo agora: sempre quis muito aprender a dirigir. E um dia sonhei que estava dirigindo no caminho do Mineirão aqui pra casa, e lembro até hoje da cena: eu saindo da Abrahão Caram pra pegar a Antônio Carlos. No dia que meu exame de direção foi marcado, a área escolhida foi a do Mineirão! Tirei a tal da CNH, e na volta pra casa o instrutor deixou eu ir embora dirigindo! Vocês não tem noção da minha alegria de sair da Abrahão Caram pra pegar a Antônio Carlos. E é uma coisa tão pequena, né? Imagina por exemplo uma mulher que sonha muito em ter um filho no dia do parto?
Por isso eu digo: Sonhos existem pra ser sonhados e realizados. Depois de ser realizado, você sonha um maior ainda, ou não, mas faça tudo pra realizá-lo, e poder sonhar mais, sonhar muito, sonhar alto, sonhar grande! Afinal, você já ouviu falar de Alexandre, o médio?

domingo, 15 de agosto de 2010

"A música é o bálsamo da alma" ou "Quem canta seus males espanta" ou só "Música" mesmo


Hoje fiz uma descoberta: a música tem algum poder misterioso. Não sei qual e não sei como. Só sei que tem.

Já andava um pouco desconfiada. Minha mãe diz que nada me acalmava tanto quanto “Hey Jude”. Isso aí, Beatles, e a criança só tinha 4 anos! Eu podia estar fazendo o que for, tocava a bendita no rádio e eu parava pra cantar ná ná ná ná náá ná! ná ná nááááá ná! O bom gosto precoce é um capítulo a parte, mas fui um bebê que ouvia Mozart e Beethoven pra dormir. Não podia ser diferente.

Minhas suspeitas cresceram quando entrei pro coral. A história de como eu entrei é bem amoladora, nem vale a pena colocar aqui, mas o benefício que aquela galerinha me traz... Não coloco aqui porque não sei explicar! É mágico! Posso estar de mau-humor, ter acabado de ter uma briga feia com alguém, TPM, nervosa, abatida, irritada... Ou tudo isso junto! Um ensaio de 2 horas cura qualquer coisa!

Hoje cantamos em um casamento, e foi quando confirmei que a música tem poder. Maior que muitos outros... Começa o tan tan tan tan da marcha nupcial e os pêlos do braço já arrepiam. Ave Maria de Gounod? Conto nos dedos quem não chora.

E não falo só de música clássica! Coloca “dancing with myself” num dia de mau humor! Entra pro quarto, bota no ultimo volume e dança, escandalosamente! Como se o mundo fosse acabar e tudo dependesse da sua dança! Como se ninguém estivesse olhando! Como se você fosse a música! Ou depois de um dia estressante de trabalho, coloca um CD do John Mayer pra tocar e entra pra debaixo do chuveiro...

Percebeu? Descobriu? Me conta?

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Spinning

Sempre fui uma negação em qualquer esporte, e não falo só de vôlei, basquete, futebol, handball e afins. Minha capacidade de ser ruim em atividade física vai além, chegando a queimada, pique-pega, esconde-esconde, pular corda, elástico, sete pecados e qualquer brincadeira que vier a sua cabeça que envolva essa área! Sabe a ultima pessoa a ser escolhida pra ser do time? Era eu! Sabe a pessoa que sempre era “carta branca”? Era eu! Mas isso nunca me atingiu psicologicamente! Não ligava de ser reserva nas olimpíadas, de ficar lendo revista nas aulas de educação física ou ser a melhor amiga da professora pra ganhar o suficiente pra passar de ano. Nunca me atingiu socialmente também! Tenho meus métodos de conseguir amigos, sou extremamente crítica e palhaça! E na escola aquela cola numa prova mais difícil acabava com os problemas que as piadinhas não tinham resolvido.

Mas tudo passa, e ainda bem! Não sou mais obrigada a praticar esporte! Mas sempre tem aquela conversa que tem que fazer alguma atividade física, faz bem à saúde e blá blá blá... Mas quando é você que se incomoda que ta sedentária demais, o bicho ta realmente pegando!

Foi quando tentei entrar na academia! 3 VEZES! Me animo, matriculo, faço avaliação, vou uma semana e é o tempo suficiente pras pessoas começarem a achar que podem entrosar com você! Vêm puxar papo no momento que você está no meio do exercício no banco adutor: “Malha há quanto tempo? Toma algum suplemento?” Que hora de puxar conversa, e que jeito! Isso pra não falar do tal do “Vamos revezar?”. Já leva de cara um NÃO bem seco e um “já estou quase acabando” educadamente falso. Além do que ninguém olha nos seus olhos! As pessoas conversam com você olhando pro espelho, procurando o ângulo que a deixe magra suficiente pra uma conversa. Me irrita!

Tentei então caminhada, mas muito monótono. Tentei correr, muito agitado! Natação, no verão ate vai bem... E finalmente encontrei a solução: SPINNING! Você entra numa sala escura e sem espelhos! Ninguém fica reparando na gordurinha alheia, e nem na própria, num dá tempo! A música é tão alta que também não dá pra puxar papo! Você se concentra em você, no seu exercício, na sua saúde e mais nada! Até os problemas parecem não existir! Cabeça leve, ouvidos limpos, coração saudável e corpitcho em forma!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...